7 tecnologias mais buscadas em profissionais de TI pelas empresas

É oficial: TI e Telecom são os setores que mais contratam, mesmo na crise.  O número de contratações para desenvolvimento de software cresce a cada dia e as médias salariais estão entre as maiores do mercado. Por outro lado, profissionais cada vez mais qualificados e exigências específicas de empresas podem afastar você daquela vaga tão sonhada. Nós, da GeekHunter já demos uma mãozinha para estruturar um currículo matador, agora indicaremos as 7 tecnologias mais buscadas pelas empresas contratando profissionais de TI.

A seguir você confere em ordem o ranking da pesquisa da GeekHunter, que identificou as linguagens e frameworks de maior interesse e aplicação comercial. O levantamento inclui mais de 350 empresas que estão no portfólio da GeekHunter como base, sendo a maior concentração nas cidades de São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro, Florianópolis e Belo Horizonte. Não precisa dizer que profissionais com essa qualificação no perfil têm uma maior chance de serem contratados, e apesar do conforto de trabalhar com Pearl pelos últimos 20 anos, não custa nada conhecer maneiras mais eficientes de desenvolver seu sistema, não é mesmo?

O Campeão: JavaScript

Seja no StackOverflow ou no GitHub, a maior parte dos projetos, repositórios e requests tem alguma relação com JavaScript. O crescimento da demanda pela linguagem, que tem pouco mais de 20 anos, pode ser em parte explicado pela necessidade de adaptação da Web para dispositivos mobile. Do primeiro iPhone ao 4G, 8 anos se passaram e mais da metade das buscas no Google já são feitas por smartphones, e esse número só tende a aumentar.

Some a isso frameworks poderosos, como NodeJS ou AngularJS, que possibilitam o desenvolvimento com integração simplificada para aplicações de e-Commerce, APIs nativas com JSON ou mesmo serviços de streaming, e você entenderá o porquê JS está no topo da lista.

Quanto maior o uso, maior é o ganho para usuários e plataformas: outros complementos como jQuery/UI, Google Material/Polymer estão presentes na maior parte dos sites, o que significa que você pode salvar preciosos segundos no carregamento da sua aplicação usando dados em cache do usuário, carregando scripts via CDN, por exemplo.

Por mais deliciosos que possam ser pêssegos em calda enlatados, eles não são bem lá os snacks mais práticos para um fim de semana acampando. Para começar a se aventurar com JavaScript, tudo o que você precisa é de um editor de texto e um browser, o que só corrobora para a sua grande aceitação entre os programadores.

O Vice: HTML (e CSS)

Também ligada (e muito!) ao desenvolvimento web, a linguagem HTML continua sendo exigida pela grande maioria das empresas que procuram profissionais competentes. Claro, como não vivemos mais na década de 90, além do HTML, quem deseja ter futuro na área de desenvolvimento web deve dominar também as famosas “folhas de estilo”, utilizando CSS.

Há pouco tempo foram lançadas as tão esperadas novas versões do HTML e CSS pela W3C, trazendo muito mais robustez e recursos que acompanham as necessidades dos desenvolvedores atuais. Dizem que o grande Tim Berners-Lee se emocionou ao ficar sabendo das novidades por um de seus filhos.

Você que já é faixa preta em HTML e CSS, estude mais um pouco para chegar no primeiro DAN e tirar onda nas entrevistas de emprego. O HTML5 trouxe novas tags e funcionalidades para facilitar o desenvolvimento de sites cada vez mais interativos e amigáveis – tag <video> é amor. O CSS3 também não ficou para trás, trazendo diversas novas animações e efeitos.

Uma dica para quem quer ir além: estude, bastante, os pré-processadores de CSS. Existem vários, mas os mais conhecidos são Less e Sass. Essas ferramentas auxiliam os desenvolvedores a criarem folhas de estilos mais organizadas e incluem automaticamente as funções CSS para que o código funcione em todos os browser.

3º Lugar: Java para Android

Sabe aquela história de ‘quem toca piano toca teclado, mas quem toca teclado só tem meio caminho andado’? Pois é. Apesar de baseado em Unix e escrito em Java, o SDK do Android é por si só uma categoria única. O mesmo vale para o Objective-C também usado nos apps em iOS. Nessas linguagens, o paradigma MVC (Model, View, Controller) é imperativo, o que pode assustar de primeira, mas facilita e organiza muito melhor o desenvolvimento.

Com o grande crescimento da popularização de Smartphones, principalmente os que utilizam o Android como sistema operacional, a demanda por apps também aumenta – não é à toa que esta linguagem está entre as mais procuradas por empresas na área de desenvolvimento.

E se você tentou ser um Android Developer mas desistiu por conta de problemas com o Eclipse, conheça o Android Studio. A nova IDE é completa e focada nos apps – de quebra incorpora simuladores de várias versões do sistema operacional com diferentes configurações de hardware. A nova versão do software não saiu, mas você já pode conferir a versão Beta 5, que promete grandes avanços de velocidade mesmo pra quem já utiliza o software.

4º Lugar: Java

Java é, sem dúvidas, uma das maiores linguagens de programação do mundo. Foi criada pela Sun Microsystems em 1995 e, posteriormente, foi adquirida pela Oracle. Com ela é possível criar aplicações Web – claro –, Desktop e Mobile, sem contar que foi escolhida como a linguagem oficial para o desenvolvimento dos apps do sistema operacional mais popular atualmente, o Android.

Ok, tá certo que todo bom programador deveria passar pelo bom e velho Assembly uma vez na vida, mas convenhamos que programar em uma linguagem de alto nível torna o trabalho muito mais simples e rápido. Além dessa facilidade, a linguagem Java se popularizou com o boom da Orientação a Objetos, já que fornecia aos usuários toda a flexibilidade do paradigma e ainda uma segurança reforçada ao rodar aplicativos e applets em sandbox, isolados nos JREs. Isso atraiu interesse de grandes corporações financeiras, como Citigroup, Goldman Sachs, que ainda mantêm sistemas com essa tecnologia.

Entre as empresas, o Hibernate, framework que consegue expandir bastante as possibilidades da linguagem, é bastante popular. Por fim, com a Internet das Coisas cada dia mais presente, Java voltou aos holofotes pela sua utilização em aplicações de Big Data, como o Apache Hadoop e o Elastic Search, com certeza um must para a maioria das gigantes de tecnologia.

5º Lugar: PHP

Mais uma linguagem de programação muito voltada para web – está vendo um padrão por aqui? –, PHP é, com certeza, uma das linguagens de programação mais usadas. Diversos gigantes da internet – como Facebook e Wikipedia – utilizam, entre outras, o PHP para o desenvolvimento de seus sites. Apesar do esforço das companhias de migrar para servidores baseados em linguagens mais recentes, a maior parte dos sistemas criados até 2000 era desenvolvida em PHP, portanto, profissionais de integração em sistemas legados ainda são bastante requisitados.

Quer mais? Grande parte dos Content Management Systems (CMS) também são baseados na linguagem, só o WordPress representa mais de 1/4 da web, ou seja, muita demanda para freelas e projetos.

O PHP geralmente está ligado ao dinamismo do conteúdo de algum site e, para auxiliar os desenvolvedores, conta com vários frameworks, sendo que os mais populares deles são o Symfony Laravel.

6º Lugar: Python

Versatilidade é a chave. A lista de utilidades parece não acabar – aplicações científicas e numéricas, algoritmos de otimização, softwares de computação gráfica, sistemas embarcados ou até mesmo aplicações web/desktop bastante conhecidas como Dropbox e Mercurial. Em muitas universidades e instituições, Python é a linguagem que inicia os estudantes no mundo da programação, o que ajuda a consolidar seu posto de 6ª lugar.

Ela dá suporte a diferentes paradigmas de programação e suas aplicações podem ser desenvolvidas para diversos ambientes de execução e uma das principais características que a tornam uma das linguagens de programação mais procuradas por empresas é a facilidade e velocidade que ela proporciona no desenvolvimento das aplicações.

Para aumentar ainda mais a velocidade de desenvolvimento, existe o framework Django, que utiliza o padrão MVC (model-view-controller) e é um grande diferencial nos currículos de programadores Python.

7º Lugar: Ruby

Ruby, assim como Python, é uma linguagem que dá suporte a diferentes paradigmas de programação. É uma linguagem bem simples de aprender, elegante, extremamente poderosa e que possui uma taxa de produtividade muito alta.

Apesar de ter sido criada em 1995, ainda é uma linguagem de programação bem forte no mercado, justamente pela sua facilidade de aprendizado e desenvolvimento e de sua robustez. Pergunte para o pessoal do GitHub, Zendesk e Heroku para ver se estamos mentindo.

Em 2005, foi criado um dos frameworks mais conhecidos do mundo, o Ruby on Rails. Este framework foi desenvolvido com o intuito de acelerar ainda mais o desenvolvimento de aplicações web utilizando o padrão de arquitetura MVC. Suba nos trilhos e Ruby on Rails levará sua aplicação web do papel à produção em um piscar de olhos. Apesar de RoR ser relativamente recente, até Airbnb, Groupon, Github e Basecamp estão na lista das empresas que embarcaram nessa viagem, construindo aplicações extremamente robustas escrevendo muito menos código.

E você, manja alguma dessas linguagens e já conhece as “8 certificações de TI mais requisitadas no Brasil“? Está procurando novos desafios? Crie seu perfil na plataforma da GeekHunter e tenha a chance de ficar cara a cara com empresas incríveis em busca de top desenvolvedores!

Entre para a elite de desenvolvedores

Veja também

Comentários