Desenvolvedores home office: acerte na contratação e gerenciamento

laptop on a wooden table, hands of a man working on a computer, smartphone, notebook, desktop.

Contratar e gerenciar desenvolvedores home office tem sido a solução que diversas empresas encontraram para resolver o problema da escassez de profissionais em um mercado tão aquecido, como o da tecnologia.

Já parou para pensar nisso?

As empresas que oferecem vagas para trabalhar em casa abrem um leque interessante de possibilidades para atrair bons profissionais para o time. Isso porque:

-derrubam as restrições impostas por barreiras geográficas, podendo acessar talentos de diferentes regiões;

-atraem também um tipo de candidato disposto a abrir mão do regime de contratação CLT, o programador freelancer.

Além disso, o trabalho remoto, também conhecido como home office, está ficando cada vez mais comum. E isso é bastante evidente na área de tecnologia, um dos segmentos onde  a disputa pelos profissionais capacitados e comprometidos não é brincadeira.

Apesar de ser uma prática até muito comum no mercado de tecnologia e de as pesquisas mostrarem que o futuro do trabalho é remoto, diversas empresas ainda encontram dificuldades para contratar e gerenciar desenvolvedores remotos.

Neste artigo, vamos apresentar algumas formas de tornar esse processo mais seguro, produtivo e efetivo para todos. Confira!

O processo de contratação para Home Office

Esse modelo de contratação exige que a empresa e seus gestores fiquem atentos para alguns pontos.

É que, por mais que o profissional vá desempenhar as mesmas funções que um funcionário que trabalha dentro da organização, o contato será diferenciado.

Separamos para você 2 pontos cruciais para que NÃO haja surpresas ruins:.

Não descuide do perfil profissional

Para contratar e gerenciar um programador freelancer, a empresa deve valorizar não só as habilidades técnicas dos profissionais, mas também as soft skills – as competências sociais e comportamentais do candidato que deseja atrair.

Em português claro:

Mais do que ser bom na construção de códigos de programação, um bom desenvolvedor deve ser:

independente, para conseguir tocar as suas tarefas sem esperar pelo direcionamento de alguém;

disciplinado, pois não haverá ninguém supervisionando o trabalho do profissional

– ter foco e capacidade de se autogerenciar.

O empregador precisa ter confiança de que poderá delegar as tarefas ao desenvolvedor e que ele conseguirá entregar as demandas. Com qualidade e no prazo acordado.

Fique atento à lei

É importante que você fique atento que, mesmo no trabalho home office, é possível utilizar 2 regimes de contratação: o PJ ou o CLT.

Vamos ver isso melhor.

No primeiro caso, Pessoa Jurídica, a empresa deve contratar e gerenciar o desenvolvedor como uma empresa, ou seja, a empresa estaria contratando os serviços de uma outra empresa – no caso, a do programador.

Sugestão:

O ideal é que a contratante combine um regime de trabalho por entregas, e não por horários. Afinal, lembre-se de que o profissional PJ não deve cumprir a jornada padrão, como se desse expediente na firma em contrato CLT.

E, atenção, de maneira alguma, a empresa poderá cobrar ou exigir que o freelancer fique disponível para atendê-la em qualquer horário, indiscriminadamente. Mas… pode combinar reuniões, presenciais ou a distância, desde que o desenvolvedor esteja de acordo.

Desde que entrou em vigor, a nova lei trabalhista permite que a empresa contrate um profissional no regime CLT e trabalhe no modelo home office, ou teletrabalho, como descreve a lei.

Por falar na lei, ficam aqui dicas para evitar dores de cabeça: tudo que o profissional utilizar em sua casa deverá ser formalizado em contrato – equipamentos e gastos com energia, internet, telefone etc.

Assim como na contratação PJ, o trabalho deve ser controlado por tarefas realizadas ou entregues e não por horário.

Gerenciamento a distância do desenvolvedor

Lidar com o dia a dia de trabalho dentro de uma empresa, onde todos estão fisicamente juntos, vira e mexe foge ao planejado. Agora, imagine com o time em locais diferente?!

Esse é um dos motivos que deixa os gestores reticentes em relação ao colaborador trabalhar em casa: não conseguir gerenciar com eficiência suas equipes remotas, impactando negativamente a produtividade e o clima organizacional.

Esse temor acaba limitando a contratação apenas ao regime padrão, onde todos trabalham alocados na empresa.

A boa notícia é que a tecnologia também pode contribuir nesse ponto, dando ao time a sensação de proximidade. Hoje em dia, contamos com diversas ferramentas de comunicação em tempo real: Skype, WhatsApp, Slack, além de gerenciadores de tarefas, como o Trello, onde tudo é feito online.

Logicamente, ferramentas ajudam mas não resolvem tudo sozinhas!

É aí que o bom gestor se diferencia, criando práticas que facilitem a unidade da equipe o acompanhamento dos jobs – reuniões semanais ou quinzenais em equipe, one to one com o time, relatórios de tarefas, análise de indicadores etc.  

Antes de optar por desenvolvedores home office, atenção!

Você já decidiu que contratar e gerenciar desenvolvedores para trabalhar remotamente é a melhor opção para a sua empresa. A gente separa então pontos que precisam de uma atenção especial para que a experiência seja positiva:

Tenha certeza que sua empresa possui estrutura

Antes de começar a busca pelo profissional, certifique-se de que a empresa terá estrutura para atender o desenvolvedor.

Algumas questões têm que estar bem resolvidas:

O que será oferecido a ele?

Serão fornecidos equipamentos ou um bom acesso a internet e ferramentas para que ele exerça sua atividade, por exemplo?

Como a empresa irá se certificar de que o candidato  tem uma estrutura que permite a realização do trabalho com qualidade?

Lembre-se de que tudo isso deve ser formalizado no contrato de trabalho.

Busque benchmarks

Você conhece alguma empresa que já trabalha no mesmo modelo?

Faça uma pesquisa e busque as melhores práticas do mercado. Para quem está começando, as referências podem ajudar muito nesse processo.

Não abandone o funcionário

O sonho de toda empresa é encontrar um profissional que tenha autonomia e independência para trabalhar sozinho, entregando tudo com qualidade e dentro dos prazos estipulados.

Porém, há uma cilada aí: desenvolver tanta confiança no colaborador a ponto de deixá-lo sozinho tocando o barco. Essa atitude é perigosa, porque a falta de proximidade pode gerar isolamento e desmotivação no funcionário.

Acompanhe sempre o profissional e vá aumentando o nível de responsabilidades e dificuldade nas atividades que ele exerce. Dessa forma, ele se sentirá sempre desafiado e confiante nas suas decisões.

Não esqueça de dar feedbacks sobre o trabalho que ele vem desenvolvendo e de salientar os pontos em que ele tem se destacado.  

Invista em recursos facilitadores

O modelo de trabalho home office tem crescido tanto nos últimos anos que diversas empresas têm desenvolvido recursos e ferramentas para torná-lo ainda mais fácil e eficaz. A sua empresa pode e deve procurar por esses recursos, e implementá-los junto aos profissionais envolvidos.

O ideal é que você crie um plano de trabalho para atuar com os desenvolvedores remotos, de forma que eles sejam bem orientados e treinados desde o início.

Um dos recursos que as empresas têm utilizado são os vídeos para treinamentos, para gravar reuniões, para sanar dúvidas e diversos outros formatos.

Por meio dos vídeos, a empresa consegue explicar ao novo colaborador, de forma mais completa, como é a rotina entre os funcionários, quais produtos ela vende, quais soluções ela pretende entregar ao cliente etc.

Em suma:

1 – Contratar e gerenciar desenvolvedores home office pode ser uma ótima solução para empresa, desde que analise previamente os processos que a empresa utiliza e verifique se são flexíveis e permitem o distanciamento físico entre os profissionais.

2 – É  importante que esse modelo seja adotado de dentro para fora, pois algumas empresas não permitem que os funcionários internos trabalhem em regime home office, mas contratam profissionais para essa função. Essa falta de transparência acaba causando desmotivação nos colaboradores.

3- Avaliar se o modelo home office faz sentido para o seu modelo de trabalho, em alinhamento com a sua cultura organizacional.

Para quem tem certeza de que o home office é a melhor opção para contratar e gerenciar desenvolvedores, é só ter em mente essas dicas. E não esqueça de compartilhar a sua experiência com a gente!

Imagem: Freepik

Guest-post produzido por nosso parceiro Vidmonsters

Comentários

comentários