Skip to main content
mulher e homem no escritório

Employer Branding: tudo que o RH precisa saber!

Employer Branding não é uma palavra famosa, concorda? Mas e se eu perguntar o que empresas como Google, Netflix e Nubank têm em comum o que você me dirá? Receita? Valor de mercado? Pode até ser, mas o ativo mais valioso destas corporações não é o faturamento atual, mas sim, as suas reputações como empregadoras.

E você sabe disso. É Employer Branding na sua forma mais essencial.

Afinal, tudo o que essas empresas são hoje, se deu essencialmente pelo trabalho duro e pela paixão dos primeiros que acreditaram na causa. Dos primeiros a levantarem a bandeira. Dos primeiros colaboradores.

Fazer com sua empresa seja bem quista no mercado de trabalho é tão vital quanto bater as metas de vendas. Pois de nada adianta vender serviços/produtos que não são bem desempenhados ou bem produzidos, certo?

Employer Branding é o tema do nosso artigo de hoje.

Podemos avançar? 😬

Employer branding: o que é?

equipe de trabalho feliz

Marca do empregador na tradução livre – ou Employer Branding, como é popularmente conhecida – nada mais é do que uma estratégia com foco no ativo humano, visando o fortalecimento da imagem da empresa como empregadora.

Resumidamente:

Employer Branding é a construção de uma cultura forte, que por si só é capaz de atrair e reter os melhores talentos.

Employer branding na gestão de pessoas

equipe unida

O Employer Branding é uma estratégia de RH, em essência, mas que tem muita similaridade e familiaridade com o Marketing. Sim, esqueça tudo o que escutou ao longo da vida, sobre Marketing servir apenas para gerar vendas e RH servir apenas para recrutamento, seleção, processos admissionais e demissionais.

Hoje, mais do que nunca, o profissional de Recursos Humanos é vital para o organismo corporativo. O RH é o elo forte entre empresa e colaborador.

Assim como o RH, o Marketing é sobre pessoas e para pessoas. Logo, essa união faz todo sentido do mundo!

E por que Employer Branding é importante?

colaborador assistindo video do rh

Employer Branding é basear o crescimento no capital humano. Você pode perguntar: “Mas, diretamente, como isso pode me trazer mais lucro?” Infelizmente, alguns empregadores ainda têm dificuldade de entender a relação que o ativo humano tem com sua lucratividade.

Se no passado as empresas podiam prosperar sem investir em equipe, hoje o cenário é bem diferente.

Confira as vantagens de fazer um plano de Employer Branding para sua empresa:

Vantagem competitiva na “briga” por talentos

Employer Branding tem muitas semelhanças com Marketing. Empresas de forte cultura, no geral, têm muito mais chances de conquistar talentos disputados no mercado de trabalho, assim como acontece na disputa de clientes por concorrentes.  

Se um profissional tiver que optar por duas empresas que oferecem o mesmo salário e uma delas não for conhecida como um bom local para se atuar, você tem dúvidas de qual seria a escolha final?

Menores custos com gastos rescisórios

O Employer Branding também diminui seus gastos de turn off. A sua empresa tem na ponta do lápis tudo o que já gastou com a rescisão de colaboradores? Pois é, pois saiba que demitir um membro da sua equipe pode custar quase 1 ano do seu trabalho.

Caro esse desalinhamento, né?

Quando as empresas se dão conta disso, fica impossível separar o sucesso da empresa, de um recrutamento e seleção bem estruturado.

Alta produtividade com alta qualidade

Em entrevista para a ISTOÉ, Julia Hartz, CEO da Eventbrite, disse: “Não é mais necessário viver para o trabalho. Pessoas felizes e com saúde trabalham melhor.”

Se você concorda com essa afirmação, aqui temos uma empresa muito propensa a ter sucesso com as estratégias de Employer Branding.

As marcas mais fortes da atualidade já perceberam o poder que um colaborador talentoso e satisfeito tem. Agora, multiplique esse potencial pela quantidade de pessoas que trabalham na sua empresa e veja a mágica acontecer. É hora de colocar as mãos na massa, gestor!

Equipe satisfeita = Cliente satisfeito

Employer tem um potencial transformador incrível e não utilizar isso é perder eficiência.

Todo consumidor já se deparou com o mau humor de um prestador de serviços. A experiência ruim não vai embora e a empresa toda passa a ser penalizada pelo mal comportamento de algumas pessoas

Enio Klein, gerente de operações da SalesWays, afirma que “as referências negativas são muito mais poderosas do que as positivas”. E isso é extremamente realista.

Sendo o ser humano um ser emocional, nada mais correto para as empresas do que atuar gerando boas lembranças, ao invés de “empurrar” casos não comuns para debaixo de tapete. As pessoas precisam se sentir especiais.

Todo consumidor precisa de tratamento de excelência, mas isso só ocorrerá se os colaboradores de uma empresa estiverem dispostos a trabalhar com excelência.

Logo, investir na felicidade do colaborador é uma via de mão dupla.

>>Leitura recomendada:

Como evitar prejuízos à reputação da marca empregadora?

Custos menores na atração de talentos

Já parou para pensar que, a recomendação de um restaurante que é feita por um amigo seu, tem muito mais peso do qualquer anúncio, texto ou campanha?

Pois é, os talentos também têm amigos. Que tal criar uma cultura forte, onde até quem vai embora leva consigo coisas boas para falar da empresa? Com certeza seus gastos com aquisição de talentos vão cair para menos da metade.

“Resolvi apostar em Employer Branding…

…e agora, como melhorar a reputação da empresa?”

Decidiu usar Employer Branding? Aqui vai alguns hacks para começar hoje mesmo.

Sua empresa tem um propósito?

De todas as medidas essa é a base. Não é possível traçar um plano de ação para implementar Employer Branding sem antes conhecer o propósito de existência de uma marca.

Esse propósito, claro, deve estar alinhado à visão que o CEO tem do negócio, para que não ocorra um conflito entre culture code e realidade.

Caso a empresa não tenha começado com uma missão bem clara e homologada, vale conversar com os colaboradores e extrair deles quais a características marcantes da empresa. Após isso, será preciso encontrar um padrão e validar com a equipe.

>> Leitura recomendada:

Dicas para alavancar a reputação da marca empregadora

Qual o perfil do colaborador ideal?

Aí vai uma pergunta difícil: que tipo de colaborador sua empresa busca? Um perfil mais executor, ou um perfil mais estratégico? Como se faz para descobrir se o profissional tem fit cultural?

Vocês buscam um profissional que fecha com uma gestão mais horizontal, ou um profissional mais conservador quanto à hierarquia? É preciso ter tudo isso bem mapeado para que não ocorram erros no momento da contratação.

Para conhecer o perfil ideal, faça uma entrevista com os membros da equipe. Algumas perguntas que são interessantes de se fazer:

  • O que você mais gosta na empresa? E o que menos gosta?
  • Se você fosse o CEO, o que implementaria aqui?
  • Na sua opinião, qual a característica mais forte desta empresa?
  • Conte uma história marcante que viveu aqui dentro
  • Qual a primeira imagem que lhe vem à cabeça quando imagina nossa equipe?

E voilà. Temos uma grande história sendo documentada!

Como a equipe se sente hoje?

Desejar uma equipe de alta performance sem ter um “termômetro de satisfação” é quase como nadar na areia da praia. Não é possível.

Invista em reuniões quinzenais, as chamadas 1on1s. As reuniões devem ser feitas apenas entre gestor e colaborador, para discutir processos internos, discutir expectativas, colher feedbacks e traçar um plano de ação para melhorias.

Você também pode investir em pesquisas internas de satisfação, no formato NPS, onde é possível obter notas e feedbacks sem a necessidade de um contato direto. Experimente!

Criando uma EVP (Employment Value Proposition)

Após fazer todo o trabalho de imersão na sua equipe é chegada a hora de definir quais benefícios e condições de trabalho mais conversam com os atuais colaboradores e, claro, com os talentos que a empresa ainda deseja atrair.

É também preciso entender quais os tipos de gratificações que receberão os colaboradores ou equipes que mais se destacarem.

Lembre-se:

Sem esta etapa, o Employer Branding nada mais é o que uma ideia. Crie deadlines para cumprimento de cada etapa e coloque a mão na massa!

Ações de Employer Branding

rh montando plano de ação

Use a tecnologia a seu favor

Utilizar ferramentas para suportar o trabalho de Employer Branding é extremamente importante. Você pode ter todo tipo de conhecimento e técnica, se não tiver ferramentas que automatizem e facilitem o seu trabalho, não conseguirá realizá-lo com plenitude.

Algumas ferramentas que podem dar bastante suporte ao trabalho do RH:

  • Runrun.it (para geração de demanda e controle de deadline);
  • Write (similar ao Runrun.it, mas com algumas features adicionais);
  • Feedz, que usamos aqui na Geek e gostamos muito (Para engajamento de equipe, pesquisas de satisfação e gamification);
  • Biz.u  (para People Analytics no Recrutamento e Seleção);
  • Hondana (para gestão do treinamento de equipe)
  • GeekHunter (para contratar talentos da área de TI)

Plante uma ótima primeira impressão

A maioria dos profissionais de RH já se questionaram um dia: “como fazê-los gostar daqui?” Como fazer com que os candidatos talentosos apreciem a empresa? Como passar uma primeira boa impressão, enfim?

Bem, não é fácil, mas também não é difícil. Mas, o ingrediente principal é bem básico: tratar com sinceridade e gentileza.

No artigo “Como montar uma entrevista de emprego?”, nós damos dicas de como engajar o candidato desde o primeiro encontro e fazê-lo fazer um bom marketing boca a boca a favor da empresa.

Ps:. Sem gastar R$ 0,01!

Abuse das redes sociais

Ter publicações regulares sobre a rotina da equipe também é uma ótima ação de Employer Branding. Para isso, o Instagram é perfeito, mais do que outras redes sociais. Isso porque o Instagram é a rede social do Life Style.

Publicações inusitadas, naturais, espontâneas, com fotos bem tiradas, costumam aumentar os seguidores e, por consequência, a visibilidade da marca empregadora. 

Fotografe treinamentos, eventos internos e externos, visitas, happy hours e até momentos banais, como sorrisos entre colaboradores. Mas lembre-se: não faça nada forçado.

Espontaneidade é a chave do negócio.

Colha recomendações da equipe

Usar relatos reais da equipe é outra carta na manga. Para isso, use a página de carreiras e alinhe-se com o Marketing para criar algumas campanhas em torno disso também. E ah, fique de olho no Love Mondays!

Você deve saber que o Love Mondays é uma plataforma de avaliação de empresas. Mas sabe que lá um dos principais locais de pesquisa dos candidatos?

No Love Mondays o candidato tem acesso a informações como: salário médio, satisfação de outras pessoas, cultura da empresa, qualidade de vida e até consegue ver avaliações escritas (se houver).

Caso tenha alguma avaliação negativa e infundada, considere pedir classificações para a equipe. Assim, a média geral aumenta na plataforma e a avaliação negativa acaba sendo minimizada.

Onboarding de colaborador

Imagine uma pessoa nova entrando na empresa. É natural que tenha uma curva de adaptação, certo? Sim, certo.

Mas e se o RH desse uma mão nisso? O onboarding é uma forma de centralizar essa introdução e dizer “tudo que é preciso ser dito” em um primeiro momento.

Quando não há onboarding, o novo colaborador pode ficar meio perdido em relação a papéis, pode não saber com quem tirar suas dúvidas e isso gera insatisfação.

Capriche no Onboarding: monte um cluster de conteúdos, contendo vídeos, artigos e outros documentos que podem facilitar sua entrada. Faça com que cada departamento se apresente e apresente seu trabalho. Faça apresentações interativas, um café de boas-vindas e tudo mais o que sua criatividade demandar!

Relacionamento com o banco de talentos

Relacionar-se com o banco de talentos é uma das estratégias de Employer Branding que mais dá resultados.

Não é porque uma pessoa não seguiu um processo seletivo com a sua empresa que ela precisa ser descartada. Até porque existem vários motivos para isso, né?

É importante manter contato, mostrar que a sua marca tem um propósito. E aí, independente do resultado dos processos seletivos, você terá grandes advogados da marca empregadora.

Conclusão

Em um mundo onde os ciclos de inovação são cada vez menores, não há mais espaço para empresas dispostas a seguir o “velho modo de fazer”. Empresas que aprendem a humanizar, viram alvos de talentos, ao invés de prospectar os alvos.

A necessidade de trabalhar uma boa reputação da marca empregadora já é uma realidade.

E aí, sua empresa já possui alguma estratégia para atrair e reter talentos? Comente aqui embaixo!

Employer Branding: tudo que o RH precisa saber!
5 (100%) 1 vote
Penélope Victória

Penélope Victória

Uma viciada em aprender qualquer coisa. Marketing Digital é uma dessas "coisas" que devora e nem vê o tempo passar. A paixão especial é pelo SEO. Cinéfila assumida, nas horas livres também costuma pegar a bike e ir para bem longe!
Penélope Victória

Últimos posts por Penélope Victória (exibir todos)