Skip to main content

Front-end descomplicado: UX ou UI?

Seja sincero: quantas vezes nos últimos 10 anos você teve de ler um manual para usar um novo produto? Quantos produtos ou serviços tinham instruções de uso realmente necessárias antes de se aventurar apertando botões ou clicando lugares que pareciam óbvios? Grandes evoluções em TI podem parecer imperceptíveis quando dão certo, mas  basta olhar a imagem abaixo para se sentir no mínimo desconfortável com escolhas não tão convencionais.

UX : UI Geekhunter

As diretrizes gerais de um sistema operacional fazem com que o posicionamento dos botões seja intuitivo, canto superior direito no Windows, superior esquerdo no Mac ou Ubuntu, por exemplo. A quebra dessa convenção causa uma estranheza, cria-se a necessidade de reaprender a realizar operações básicas e muitos usuários podem se perder no meio do caminho. Um bom design de produto leva em conta desde o contexto onde está inserido até informações de seus clientes. Mas se você é desenvolvedor Front-end que ainda se confunde com os novos papéis em TI e sua relevância, confira abaixo o nosso comparativo.

UX Design vs UI Development

A importância de uma boa experiência de usuário vem sendo reforçada nos últimos anos e termos como UX e UI são por vezes utilizados indistintamente, mesmo por quem entende do assunto. Para você não se perder nos conceitos, apresentamos as principais diferenças de cada área.

User Experience Design (ou Design de Experiência do Usuário) corresponde a melhoria contínua da usabilidade de seu sistema, se preocupa com produzir uma interação simples e intuitiva entre usuário e máquina, que se traduz em uma satisfação ao realizar as tarefas de maneira descomplicada.

Um bom UX Design segue as diretrizes de sistema, entende o contexto do usuário, cria personas e faz bom uso de convenções regionais (como a leitura da esquerda para a direita em países ocidentais). Há uma semelhança com a tradicional pesquisa de mercado, no sentido de ser uma atividade muito mais analítica do que técnica: é preciso acompanhar os competidores ou aplicações levemente relacionadas para apresentar um ambiente que aparente ser familiar, ainda que único.

Ferramentas de captura e Heatmap como o Intraspectlet, CrazyEgg ou SessionCam podem auxiliar a identificar o comportamento do usuário e corrigir elementos que interrompem o fluxo de interação desejado. Outra prática comum é a contagem de cliques para realizar determinada ação. Usuários avançados podem se beneficiar com funções como atalhos no teclado, mas a interação deve ser simples desde a primeira utilização. O UX Designer deve estar preparado para analisar esses dados, desenvolver a melhor estrutura de interface através wireframes e coordenar a integração com desenvolvedores para aposentar de vez o manual de instruções.

Já a tarefa do User Interface Design (ou Design de Interface do Usuário) é incorporar a identidade da empresa no DNA da aplicação. UI Designers são responsáveis por como o cliente enxerga seu produto, o que vai além de esquema de cores, fontes e botões, mas todo um desenvolvimento gráfico que incorpore a percepção sobre a própria empresa (sua marca é sóbria, sólida, confiável ou é mais acessível, próxima ao cliente?), passando por animações, responsividade, dicas e sugestões visuais que guiam a interação e ainda análises de mercado.

Desenvolvedores Front-end costumam se encaixar melhor nessa categoria, especialmente quando têm um elevado senso estético e já estão acostumados com projetos gráficos e prototipagem de interfaces. Esse tipo de profissional, quando desenvolve o produto final em código também é chamado de UI Developer, apesar de que algumas empresas mantêm como tarefas de profissionais separados.

Ferramentas gráficas auxiliam muito o trabalho, apesar de o Adobe Photoshop ser o campeão de utilização entre os profissionais e empresas, usuários de Mac dispõem também do Sketch, software que vem ganhando espaço por reunir o melhor de vários mundos em um lugar só, dando um foco especial para os recursos mais importantes para Web. Outra solução bastante focada em web (e que está saindo do forno) é o Adobe Experience Design, sucessor do Project Comet, promete ser uma mão na roda para desenvolvimento e mockup de interfaces interativas de maneira simples e fluida.

Existe coexistência pacífica?

Apesar das diferenças que apontamos, ainda existe uma certa sobreposição de atribuições entre as duas áreas. Organizações cada vez mais enxutas por vezes acabam optando por um ou outro profissional, o próprio dev Front-end pode ter que assumir as tarefas de UX, ou a tarefa pode ser repassada para o time de BI. No entanto, a dedicação exclusiva de profissionais especializados em cada área tende a gerar resultados mais consistentes e em menor tempo.

É preciso reconhecer que assim como o ser humano não funciona sem os ossos e a pele em ordem, um bom produto, seja ele Web ou não, também precisa de uma boa estrutura (UX) e uma ótima apresentação (UI). As decisões de projeto devem ser tomadas com foco nas necessidades do usuário final, de maneira a agregar maior valor ao produto e toda a equipe deve se articular para trabalhar em conjunto e proporcionar a melhor experiência possível para o cliente.

As novas atribuições não vieram ‘roubar o trabalho’ de ninguém e o desenvolvedor pode sair na frente se tiver acumulado alguma experiência com User Experience ou Interaction Design. A GeekHunter fechou uma parceria com a Udemy e oferece vários cursos de Front-end com descontos, para se aprofundar bastante nos conceitos. Outra boa pedida é a série de cursos do Coursera desenvolvida pela UC San Diego que aborda em cheio esses temas, você pode ter acesso gratuito ao material didático ou ainda pagar para obter um certificado na instituição de ensino e ampliar ainda mais suas oportunidades.

Como a sua empresa se relaciona com UX e UI? Existe uma distinção clara de tarefas e seus gestores reconhecem as peculiaridades de cada função? Compartilhe conosco suas experiências nos comentários.

Entre para a elite de desenvolvedores

Veja também

Comentários

comentários