Tela de notebook exibindo códigos em PostgreSQL

Tutorial PostgreSQL: introdução prática ao serviço

O excesso de informações geradas e gerenciadas pelas empresas nunca foi tão grande, e só aumenta com o passar do tempo.

Lidar com essa enxurrada exige tecnologia, inteligência e ferramentas. Para isso, bancos de dados objeto-relacionais viabilizam a organização e a qualidade das informações do seu negócio.

Estamos na era digital e isso reforça a importância de se manter atualizado com as tendências de Big Data e Big Query.

5 Ferramentas de Big Data para você conhecer

O que é PostgreSQL?

O PostgreSQL ou somente “postgres” é um sistema de gerenciamento de banco de dados objeto relacional (SGBDOR), desenvolvido como projeto de código aberto com mais de 30 anos de desenvolvimento ativo sob licença do TLP (The PostgreSQL License). 

Dessa forma, o PostgreSQL tem um forte reputação de confiabilidade, robustez, recursos e desempenho, principalmente pela dedicação da comunidade de código aberto por trás do software.

O PostgreSQL suporta cargas de trabalho consideráveis e consegue processar grandes volumes de informações.

Algumas características desse SGBDOR são:

  • Consultas complexas.
  • Software robusto e de alta qualidade com código de manutenção e bem comentado.
  • Chaves estrangeiras.
  • Integridade transacional.
  • Controle de concorrência multi-versão.
  • Suporte ao modelo híbrido objeto relacional.
  • Facilidade de acesso.
  • Linguagem procedural em várias linguagens para procedimentos armazenados.
  • Indexação por texto.

Além disso, o PostgreSQL utiliza e estende a linguagem SQL (Structured Query Language), a linguagem de instruções utilizadas para conversar com banco de dados relacionais, podendo ser executado em todos os principais sistemas operacionais.

Alguns recursos deste SGBD são:

Tipos de Dados

  • Primitivos: Integer, Numeric, String, Boolean
  • Estruturada: Date/Time, Array, Range, UUID
  • Documento: JSON/JSONB, XML, Key-value (Hstore)
  • Geometria: Ponto, Linha, Círculo, Polígono
  • Customizações: Tipos compostos e personalizados

Integridade de Dados

  • UNIQUE, NOT NULL
  • Chaves Primárias
  • Chaves Estrangeiras
  • Restrições de Exclusão
  • Bloqueios explícitos, bloqueios consultivos

Simultaneidade, Performance

  • Indexação
  • Transações, Transações Aninhadas
  • Controle de Simultaneidade de várias Versões
  • Paralelização de Consultas
  • Particionamento de Tabela
  • Todos os níveis de isolamento de transação definidos no padrão SQL
  • Compilação just-in-time de expressões

Confiabilidade, Recuperação de Desastres

  • Log de gravação antecipada
  • Replicação: Assíncrona, Síncrona, Lógica
  • Recuperação Pontual, Reservas Ativas
  • Tablespaces

Segurança

  • Autenticação
  • Sistema de Controle de Acesso Robusto
  • Segurança em Nível de Coluna e Linha
  • Autenticação Multifator com Certificados

Extensibilidade

  • Funções e Procedimentos Armazenados
  • Linguagens Procedurais

Internacionalização, Pesquisa de Texto

  • Suporte para conjunto de caracteres internacionais
  • Case-insensitive
  • Pesquisa de Texto Completo

Quando baixamos e instalamos o PostgreSQL, junto vem um utilitário bastante importante: o psql.

Banner para encontrar a vaga ideal para sua carreira na Geekhunter.

PSQL para gerenciar o PostgreSQL

Psql é um utilitário utilizado para administrar e gerenciar o PostgreSQL. É um cliente terminal que permite digitar comandos SQL ou meta-comandos, permitindo enviar instruções ao Postgres.

Outra característica é que  podemos efetuar conexões remotas e também usá-lo como uma ferramenta de script.

No caso do Windows, para acessá-lo, abra o Prompt de Comando (CMD) e digite:

psql --U postgres

Para efetuar conexões remotas, podemos fazer:

psql -h hostname -p 5432 -d dbname -U username -W

Vale enfatizar que, na configuração de acesso ao postgres, não utilize uma senha fraca, como normalmente usam “postgres”. Desse jeito, isso tornará o sistema vulnerável a ataques de crackers.

O usuário postgres é um superusuário padrão do PostgreSQL, similar ao usuário root do MySQL. Quando você rodar o comando, será pedida a senha e você deverá digitar a senha que foi configurada.

Se tudo ocorreu bem, nenhum erro foi gerado e já está com acesso. Agora, podemos rodar comandos para se comunicar com o PostgreSQL, utilizando meta-comandos ou SQL puro. Inclusive, vamos falar um pouquinho sobre estes últimos.

Meta-comandos

Um meta-comando é um comando para cliente psql, já que o SQL é enviado para o servidor de banco de dados.

Todas as linhas que começam com contrabarra ( \ ), ou barra invertida, como o primeiro caractere não vazio são presumidos como meta-comandos. O próprio psql processa esse comando, tornando-o mais útil para administração e scripts.

Alguns meta-comandos e para que servem são:

  • \a – se o formato de saída da tabela atual não estiver alinhado, ele será alterado para alinhado. Se não estiver desalinhado, é definido como desalinhado.
  • \q – informa ao cliente para sair do banco de dados.
  • \cd – altera o diretório de trabalho atual. Sem argumento, muda para diretório home do usuário atual.
  • \C – define o título de qualquer tabela sendo impressa como resultado de uma consulta ou remove a definição de qualquer título.
  • \connect – estabelece uma nova conexão com o servidor PostgreSQL.
  • \copy – esta é uma operação que executa um comando SQL COPY, mas em vez de o servidor ler ou gravar o arquivo especificado, o psql lê ou grava o arquivo e roteia os dados entre o servidor e o sistema de arquivos local.
  • \copyright – mostra os direitos autorais e os termos de distribuição do PostgreSQL.
  • \d – para cada relação ou tipo composto correspondente ao padrão, mostra todas colunas, seus tipos, o espaço de tabela (se não o padrão) e quaisquer atributos especiais, como NOT NULL ou padrões.
  • \da – lista funções agregadas, junto com seu tipo de retorno e os tipos de dados nos quais operam. Se o padrão for especificado, apenas agregados cujos nomes correspondem ao padrão são mostrados.
  • \db – lista os tablespaces.
  • \dc – lista conversões entre codificações de conjunto de caracteres.
  • \dC – lista os tipos de conversões.
  • \dd – mostra as descrições de objetos de restrição de tipo, classe de operador, família de operadores, regras e gatilho.
  • \dD – lista os domínios.
  • \ddp – lista as configurações de privilégios de acesso padrão.
  • \df – lista funções, juntamente com seus tipos de dados de resultado, tipo de dados de argumento e tipos de função.
  • \dl – alias para \lo_list, que mostra uma lista de objetos grandes.
  • \dn – lista os esquemas (namespaces).
  • \do – lista os operadores com seus operandos e tipos de resultado.
  • \dp – listas tabelas, visualizações e sequências com seus privilégios de acesso associados.
  • \du – lista funções do banco de dados.
  • \echo – imprime os argumentos avaliados na saída padrão, separados por espaços e seguidos por uma nova linha.
  • \encoding – define a codificação do conjunto de caracteres do cliente. Sem um argumento, esse comando mostra a codificação atual.
  • \f – define o separador de campo para saída de consulta não alinhada. O padrão é barra vertical (|). É equivalente a \pset fieldsep.
  • \g – envia o buffer de consulta atual ao servidor para execução.
  • \help – fornece ajuda de sintaxe no comando SQL especificado. Se o comando não for especificado, o psql listará todos os comandos para os quais a ajuda de sintaxe está disponível.
  • \i – lê a entrada do arquivo filename e o executa como se tivesse sido digitado no teclado.
  • \r – reinicia (limpa) o buffer de consulta.
  • \s – imprime o histórico da linha de comando do psql para filename.
  • \set – define o nome da variável psql para o valor ou, se mais de um valor for fornecido, para concatenação de todos eles.
  • \t – alterna a exibição de cabeçalhos de nome de coluna de saída e rodapé de contagem de linha.
  • \z – lista tabelas, visualizações e sequências com seus privilégios de acessos associados.

A definição completa de todos os meta-comandos, além de todos os aspectos oficiais relacionados ao postegres, pode ser encontrado na documentação oficial do PostgreSQL: https://www.postgresql.org/files/documentation/pdf/13/postgresql-13-US.pdf

Banner para receber convites apra entrevistas na Geekhunter.

SQL e PostgreSQL

SQL é um acrônimo para Structured Query Language (Linguagem de Consulta Estruturada). E o seu nome sugere exatamente o que ela faz:

É uma linguagem de consulta declarativa utilizada por programadores e/ou administradores de banco de dados para comunicar-se com os bancos de dados relacionais através de instruções competentes a sua estrutura.

Você pode usá-la no psql também, como já foi dito.

Criando uma base de dados:

CREATE DATABASE <<NOME_DO_SEU_BANCO_DE_DADOS>>

Criando uma tabela/relação na base de dados:

CREATE TABLE <<NOME_DA_TABELA>> (

/* DEFINIÇÃO DOS CAMPOS DA TABLE */

);

Inserindo dados na tabela

INSERT INTO <<NOME_DA_TABELA>> VALUE (

/*VALORES SEQUENCIALMENTE DE ACORDO COM A TABELA SEPARADOS POR VÍRGULA*/

);

Projetando conjunto de resultados

SELECT <<LISTA_DE_SELEÇÃO>> FROM <<NOME_DA_TABELA>>;

A linguagem SQL tem um escopo de instruções bastante grande. Não é a intenção falar sobre ela neste artigo. Vamos agora falar um pouco sobre uma aplicação cliente rotineiramente utilizada, o pgAdmin.

SQL básico: uma introdução ao SQL com Pokémon

pgADMIN e PostgreSQL

O pgAdmin é uma aplicação cliente com interface gráfica de usuário (GUI)  que envia e recebe em SQL para o postgres. Um cliente pgAdmin pode acessar muitos servidores postgres e um servidor postgreSQL pode ser acessado por muitos clientes pgAdmin simultaneamente.

Neste link podemos encontrar mais informações sobre o pgAdmin, algumas suas funcionalidades atuais: https://www.pgadmin.org/.

No sistema operacional Windows, depois do postgresql instalado, você pode encontrá-lo digitando na barra de pesquisa no menu iniciar.

Pesquisa no Windows para a aplicação PgAdmin4

Desse modo, ao executá-lo, um servidor Web será iniciado na sua máquina e poderá ser acessado pelo seu navegador padrão. Abaixo uma imagem da interface.

Imagem da interface de PostgreSQL

Conexão de uma aplicação ao PostgreSQL

A conexão de uma aplicação a um banco de dados depende de como cada linguagem de programação ou framework realiza, variando em maneiras diferentes de se fazer isso, e com PostgreSQL não é diferente. Por exemplo, no caso do Java, a conexão pode ser feita utilizando o JDBC. Em Python, podemos utilizar a interface pyPostgreSQL.

No Java

Podemos criar uma classe de conexão, utilizando driver de conexão com o postgreSQL.

public class ConnectPostgres {

public Statement statement; // Preparar e realizar pesquisas no banco de dados

public ResultSet resultSet;  // Armazenar o resultado de uma pesquisa passada para o        // statement

private String driver = “org.postgresql.Driver”; 

private String connectPath = “jdbc:postgresql://localhos:5432//nome-do-banco”;

private String user = “postgres”; // usuário padrão

private String password= “Sua senha de acesso”

public Connection connection; // Realizar a conexão com o banco de dados;

    public void conectar() { 

        try {

            System.setProperty("jdbc.Drivers", driver);
            connection = DriverManager.getConnection(connectPath ,user,password);

        } catch (SQLException ex) {

          /* Tratamento da exceção.*/

        }

    }
    public void desconectar() { 

        try {
            connection.close();
        
        } catch (SQLException ex) {

            /* Tratamento da exceção. */

        }
    }
}

No Python

Depois que o pyPostgreSQL estiver instalado, podemos codificar a conexão da seguinte forma:

import postgresql

db = postgresql.open( user = ‘username’, database = ‘database_name’, port = 5432, password = ‘password’ )

Se tudo deu certo, ou seja, nenhum erro foi gerado, a conexão foi realizada.

Novamente ressaltando que existem várias formas de realizar essa conexão para várias linguagens de frameworks que lidam com o banco de dados, principalmente os relacionais.

Conclusão

Essa não é a única tecnologia presente no mercado. Você pode pesquisar e encontrar outros sistemas gerenciadores de dados, mas eles seguem o mesmo padrão de funcionalidade.

Retirar a responsabilidade do aplicação de acessar, buscar informações, manipular e gerar os dados dos bancos de dados.

Lembre-se de nunca parar de estudar e pesquisar sobre os assuntos que são importantes para sua carreira. Conte sempre com o blog da Geekhunter para se manter atualizado.

Um abraço e bons estudos! 😀

Banner para vagas de PostgreSQL da Geekhunter
Compartilhar
You May Also Like